Facebook Pixel

Idéias, o blog de Marketing Digital da Tribeca

Redes Sociais é mais utilizada por Pequenas Empresas (PME)

As Redes Sociais é a principal plataforma de mídia das Pequenas e Médias Empresas (PME) em termos de investimento e utilização. Segundo relatório da BIA/Kelsey, relativo ao terceiro trimestre de 2014, 74,5% das PMEs (Pequenas e Médias Empresas) companhias com menos de cem funcionários – preferem esse meio para anunciar e promover a marca. No ano passado, esse índica era de 71,7%.

O estudo também observou que negócios de menor porte destinam 21,4% do investimento em marketing para a mídia social, mais do que em qualquer outra plataforma de mídia. Em 2013, o investimento foi um pouco menor (18,9%).

O social está em evidência há cinco anos e chegou a um ponto em que é a categoria mais utilizada em termos de alcance - muito disso é resultado da facilidade que as plataformas sociais apresentam.

Nesse ano, foram entrevistadas 546 PMEs no mês de julho. Pouco mais da metade das empresas (52,2%) prestam serviços a consumidores; 30,8% prestam serviços tanto a consumidores quanto a negócios; e 15,6% são negócios B2B.

As redes sociais é a mídia dominante para PMEs. É uma plataforma conveniente e amigável em que podem se conectar com o mercado local. Além de ser barata e com poucas barreiras de participação, qualquer um pode veicular anúncios e promoções na social media.

Redes Sociais é mais utilizada por Pequenas Empresas (PME)

O Facebook é o canal mais utilizado pelas empresas (55,1%), seguido pelo LinkedIn (31%).

Porém, embora PMEs estejam aderindo à mídia social para promover seus negócios, ainda não estão confiantes quanto ao ROI desse meio em comparação com outras plataformas estabelecidas - resultado muitas vezes da falta de um profissional especializado para ajudar no planjemanto das campanhas.

Apenas 26,2% das empresas avaliaram o ROI como “excelente” ou “extraordinário”. Os três canais mais eficientes para gerar retorno sobre investimento, segundo os participantes, são banner ou display (59,3%), áudio em streaming (57,7%) e ofertas distribuídas em smartphones ou tablets (54%).

Parte deste artigo foi publicado originalmente no Meio e Mensagem.